Retiro Relações Humanizadoras

Dia 1: Introdução.

Organização do retiro. Apresentação. O tema é aquele da CRB para os anos 2016-2019 “Relações Humanizadoas”. Um retiro anual = um momento de encontro com Deus, de formação permanente, de descanso mais descanso no Senhor. Iremos meditar sobre as nossas relações pessoais, sobre nosso ser relacional. Somos criados por Deus para amar, servir, louvar, adorar a Deus.

Dia 2: a fonte das nossas relações interpessoais

a fonte está em Deus, um Deus Relação.
Deus trindade = Deus é relação
A teologia da trindade fala de “substância”, “pessoa” e “relação”.
Relação = referência recíproca de uns aos outros: Pai, Filho, Espírito estão em relação
Deus não tem relação. Ele próprio é diversidade de relações reais. Deus só existe nas relações. Deus é relação.
Têm 4 relações em Deus: a relação do Pai com o Filho; a relação do Filho com o Pai; a relação do Pai e do Filho com o Espírito Santo; a relação do Espírito Santo com o Pai e o Filho.

Deus se define como um Deus em relação
Genesis 1,1: No princípio, Deus criou os céus e a terra: encontramos Deus pela primeira vez na bíblia criando, em relação com a natureza
Gen1, 3: Deus disse.. Deus fala, comunica… é para alguém ouvir… a comunicação é o próprio da relação
A criação do homem e a mulher: é uma relação criativa. Não só o homem é criado a “sua imagem” (Gen1, 27-28)… ele recebe a vida do “sopro” de Deus (Gen2, 7).

Deus se apresenta ao homem como um Deus de pessoas
Gen26, 24: Eu sou o Deus de Abraão
Moises descobre o Deus de Israel como o Deus de “seus pais” (Ex3, 6). Moisés não é satisfeito. Ele quer um nome de Deus. Deus se revela como o “Eu Sou” YHWH. Pois Deus continua a se apresentar como o “Deus de Abraão, de Isaac…” (Ex3, 15). Ele quer ser reconhecido como um Deus em relação aos homens. Veja: Mt22, 32; Lc20, 37.

Dia 3: Meditação sobre a realidade das relações

Relações individualistas = “sem relações”
Um individualismo cultural pos moderno = o individualismo virou um modo de ser, um ideal
O povo de Juízes 18, 7 vivia só, isolado, longe e todos e acreditava que vivia em paz. Muitos acreditam que a vida de paz = vida só, longe de todos.
O homem de Gerasa: Mc5, 1-5: vive só

Relações perversas, abusadas
Dina estuprada (Gen34, 1-31)
Davi e Betsabeia: 2 Sam11
Amnon abusa da meia-irmã Tama: 2 Sam13 seu amor por ela vira ódio
Romanas 1, 26 “mudaram as relações naturas em relações contra a natureza”

Relações quebradas
Adão-Eva e Deus desobedecem e o pior se escondem dele e fazem para si mesmos vestes: Gen3, 8-10. Não dependem mais de Deus.
Caim mata Abel Gen4, 16
José maltrado por seus irmãos: Gen37, 2-11
Pedro nega Jesus: Mt 26, 69-75

Relações isoladas, rejeitadas
Os impuros de Israel isolados, rejeitados, marginalizados : a lei do impuro e do puro de Levítico 11-15: “separais os israelitas das impurezas” (Lev15, 31)
O leproso: Lev13, 45-46
Os cobradores, publicanos, pecadores públicos: Lc19, 1-10; Mc2, 13-17
O estrangeiros isolados: Atos 10, 28
Os pecadores particularmente as pecadoras : Lc7, 39
O mendigo cego: Mc 10, 45

As relações dos discípulos de Jesus na comunidade de Jesus
A ambição pessoal domina 2 irmãos, os filhos de Zebedeu: Mc10, 39-45 e cria indignação dos outros
A ambição de uma pessoa de fora, a mãe de 2 discípulos mexe com as relações na comunidade
A busca do ser o maior, poder, dominar: Lc22, 24-25
Tem no meio deles um ladrão que rouba: Jn12, 6

As raizes das relações problemáticas

A falta de conhecimento da verdade sobre si mesmo: conhecimento da sua compulsão do Eneagrama: 9 compulsões, 7 pecados originais
O estado de saúde física, doença contagiosa no sentido de impureza, pensamento, sentimento
O espírito mal, Satanás ou demônio: Sara (Tobias 8, 3); Pedro (Mt16, 23); Judas (Lc22, 3); “eis que satanás vos reclamou” (Lc22, 32); satanás tomou conta do coroção de Ananías (Atos 5, 3)
Pecados não perdoados: Sl51, 7 “gerado na iniquidade… concebido pecador”. Acumular os pecados conduz a Gen6, 5.
Feridas nunca saradas: Is1, 1-5.
“um espírito deprimente” da parte do Senhor: 1Sam16

Jesus chora sobre nós: Lc19, 21

Dia 4: As relações humanizadoras do Mestre Jesus

Jesus de Nazaré em relação com uma multidão diversa de pessoas: família, mãe, povo de Nazaré, os discípulos, os amigos íntimos, pecadores, publicanos, doentes, Fariseus, estrangeiros, autoridades religiosas e autoridades civis
O testemunho sobre Jesus: Mc12, 14
Mestre
Sabemos
És verdadeiro
Não te deixas influenciar por ninguém
Não tens acepção de pessoas
Ensinas
Segundo a verdade
O caminho de Deus

Relações Humanizadoras segundo o Evangelho de Jesus, Relações no Reino de Deus =

Elementos não negociáveis de Jesus e do Evangelho de Jesus =
Oração (Mc1, 35)
Obediência aos mandamentos de Deus (Lc10, 25-28)
Manso e humilde (Mt11, 29)
Compaixão e misericórdia (Mc1, 40-42)
Comunidade (Mc3, 14-15)
Ir ao encontro do outro = saída missionária (Mc1, 38)
Liberdade (Mc1, 40-42)

Relações em Deus: recolocar Deus no centro das relações: Unidade, bondade, misericórdia = abundância de graças (Lc15 e Mt 20 = o trabalhador da última hora)
Relações de amor: Lv 19, 16-18: não falar mal, não guardar ódio, não vingar-se, não guardar rancor, repreender.
Relações de doação, de amor do inimigo (a novidade de Jesus)= amar os inimigos (Mt5, 43-47), perdoar (Lc23, 34), dar a sua vida pelos amigos (Jo15, 13), carregar os pecados e a fraquezas dos outros (Is53; Mat26-28, Ga6, 2)
Relações de serviço: a ousadia do gesto = lavar os pés (Jo13, 1-20): gesto de escravo, de humildade, de buscar a felicidade do outro mas também gesto de hospitalidade, de acolhida, de amizade; 3 gestos na cultura judaica: saudar com um beijo, bacia com água e uma toalha para lavar os pés, derramar óleo perfumado sobre a cabeça (Lc7, 44)
Relação da mesa ou do pão partido: “fest”, “banquete” = amolece o coração, é o mel na vida que tira a amargura. “estar na mesa” (Mt9, 10) é um costume de Jesus. É partilha da vida. No reino de Deus se trata de um “sentar-se a mesa no Reino de Deus” (L13, 29).

Dia 5: Consagradas par Imitar a pessoa de Cristo

A nossa consagração = é obra divina, não é obra humana.
Somos alcançados (Ex16, 6-14), amados (Is43, 1-5), chamados (Mt9,9), consagrados, e enviados.
O que acontece na nossa consagração? Mt3, 16-17
O céu se abriu ou os céus se rasgarem (Mc1, 10) = intervenção poderoso de Deus
O espírito de Deus descer como pomba (ou em figura corpórea…): experiência real, física
Uma voz: “Tu és o meu filho amado, em ti, eu me agrado”A radicalidade do seguimento: Mt19, 21; Mc6, 7-13; Mt19, 27-29. Os votos = dependência de Deus e dos outros.

Qual sua resposta?

Dia 6: A consequência da consagração = a cruz.

Meditação sobre o sofrimento.
Os 3 graus de humildade de Sto Inácio: 1. Consagrados para Obedecer aos mandamentos de Deus; 2. Consagrados para ficar indiferente; 3. Consagrados para escolher a cruz com Cristo.
Como carregar a cruz?
Consciência que somos preparados: o sofrimento como consequência da nossa escolha de vida foi predito, anunciado: Mt16, 21
Ser consciente da traição ou do abandono dos amigos (Mt24, 10; 26, 21)
Aguentar a agonia (Lc22, 44): sofrer na intimidade, com a presença de íntimos, se entregar a Deus, fazer a vontade de Deus.
Enfrentar o seu processo:
Acusações dos homens
Acusações das autoridades religiosas
Acusações das autoridades civis
Resposta de Jesus: silêncio. Ele fala somente quando a sua identidade está em jogo.
Carregue o sofrimento pois existe um sofrimento redentor. É preciso permanecer de pé como Maria (Jo19, 25)
Morra para ser uma nova pessoa: “se o grão de trigo não morre não produz frutos” (Jo12, 24). A morte é destina á gloria. (L24, 26)

2a colocação: Relações Humanizadoras destinadas
Tudo em nós é destinado. Nada existe por si mesmo. Tudo é destinado. A verdade é destinada a libertação (Jo8, 32), o menino está destinado a ser um sinal de contradição (Lc2, 34)
As relações humanizadoras são destinadas a dar vida, muita vida, vida em abundância (Jo10, 10)
A relações humanizadoras são destinadas a evangelizar, missionar: Mc16, 14-15; Mt28, 16-20
As relações humanizadoras são destinadas a revelar Jesus Cristo (Jo13, 35): o amor entre as pessoas é sinal da presença de Jesus Cristo.

Dia 7: contemplação para obter o amor

Lc24: os discípulos de Emaús: estar a caminho. Nunca parar de caminhar.

%d bloggers like this: